Em Reunião

das reuniões como práticas performativas | das práticas performativas como reuniões Co-organização baldio – estudos de performance e Maria Matos Teatro Municipal

HeaderReuniao_Baldio2

Trate-se de juntar gente, esforços, saberes, meios… reunir parece ser condição essencial para agir colectivamente. E é elemento essencial no trabalho do palco.
A reunião é a um tempo só um início e um momento de balanço. Mas as reuniões existem sempre em situação, são contextuais, e dependem inteiramente de quem as faz, de como são feitas, e para quê. São absolutamente performativas. Sendo, em si, um tipo particular de ação, precedem ações mais visíveis: são como que os bastidores dessas ações, o lugar onde elas se decidem.
Google-se a palavra e aparecem: reuniões de pais, de operários, summits, eucaristias, entrevistas de emprego… Encontram-se reuniões de e é esse de que lhes parece dar a forma e o tom, o que deixa no ar a questão de como serão as reuniões quando esse de não é um dado adquirido, mas sim algo em construção, feito de cumplicidades, consensos, desacordos, conflitos, tomadas de decisão participadas; quando esse de incorpora a ecologia particular de um lugar.
Se as reuniões podem ser vistas como práticas performativas (elas implicam uma distribuição de papéis e de funções), as práticas performativas assentam no ato de reunir. O próprio teatro é sempre criação coletiva e qualquer espetáculo reúne público e atores, normalmente de dois lados dos holofotes, mas cada vez mais misturados em projetos comunitários ou espetáculos participativos.
Virar as coisas do avesso, olhar para este momento que fica entre o que já fizemos e o que vamos fazer, e que, refletindo o passado, abre lugar ao futuro, é a nossa proposta. Porque nos parece fazer falta tanto reactivar as capacidades de uma possível acção colectiva como compreender os moldes, os limites e as possibilidades de como a colocar em prática, propomos ao espaço do teatro (em si lugar de reunião) que esteja em reunião.

programa Em Reunião

FICHA TÉCNICA

curadoria: Ana Bigotte Vieira, Joana Braga, Ricardo Seiça Salgado e Mark Deputter
imagem: © Isabel Brison
espaço: Alex Roemer, Joana Braga, Marco Balesteros
elementos gráficos: Isabel Lucena, Marcos Balesteros
mestre cerimónia: Tiago Barbosa
assistente: Bruno Caracol

co-produção: baldio – estudos de performance e Teatro Maria Matos
gestão: projecto BUH!

O baldio tem patrocínio de:
DGArtes/Presidência do Conselho de Ministros/Secretaria de Estado da Cultura
Fundação Calouste Gulbenkian
e é apoiado pela:
Re.al | A & M Sousa – Comércio e Reparação de Automóveis, Lda. |
mafia – Federação Cultural de Coimbra
Agradecimento especial ao:
São Luiz Teatro Municipal | espaço alkantara | Teatro Praga